Texto e fotos: Carla Silva

Na frente da Praça da Estação, dos ícones arquitetônicos de Belo Horizonte, foi inaugurado recentemente A Central.  O espaço, que anteriormente era o Café 104,  reúne gastronomia, música, arte, drinks e o que  a vida se apresentar.  Não é um lugar em busca de definições, é um lugar com uma porta aberta para as oportunidades. O texto de apresentação resume essa vibe.

“Estamos falando de impermanência, e é por ela que nos encontramos aqui. Nossos desejos avançam como trens, mas é fato que também estamos de passagem sob este teto. Enquanto isso, queremos ensaiar. Ensaiar um almoço preparado a muitas mãos. Ensaiar uma roda de poesia em torno das mesas. Ensaiar um grupo enorme de pessoas entrando por essas portas até que o lugar pareça pequeno demais para todas elas, apesar de tanto pé direito. Amigos de longa data surrupiando guardanapos para servir um jantar na noite seguinte. Uma ópera de uma grande cantora, ou de uma cantora mais baixa. O desbunde coletivo diante de uma história improvável. Um indivíduo misterioso entrando pela porta de vidro e decidindo ficar o dia todo aqui enquanto escreve um livro que talvez nem seja publicado.”

GASTRONOMIA

Visitamos  o espaço em uma quinta-feira à  noite. O cardápio é composto por opções para todos os gostos ( com carne e sem) .  Provei  Linguiça Artesanal acompanhada com cebolas baby caramelizadas e molho de mostarda, serve duas a três pessoas tranquilamente.

 

Outras opções: Dadinho de tapioca, Pastel de Angu, Panqueca de banana da terra com vinagrete, Ceviche de tilápia, Milho assado, Bolinho de Feijoada, Tempurá de legumes, Steak prime e Tábua de Frios.
A carta de bebidas é bem versátil, com vinhos, kombucha, cervejas e drinks. Como sou apaixonada por drinks, não pude deixar de experimentar!

Provei o Spice Fizz composto de Gin, simple syrup, limão tabasco, pepino e água com gás  e a minha amiga provou o Tangerine Collins com cachaça, mel, tangerina e água com gás.

 

ARQUITETURA

Reflexo do fluxo intenso na Praça da Estação, nos primeiros anos do século XX são erguidos na região hotéis, fábricas, cafés e bares. É neste contexto que, em 1906 – dois anos depois do início das obras do primeiro prédio da Estação – começa a ser construído o edifício que hoje é sede da Central.

No ano de 1908, o prédio é inaugurado para abrigar a Companhia Industrial Bello Horizonte – CIBH, considerada a primeira grande indústria da capital mineira. A partir da década de 30, o edifício é ocupado por outras companhias têxteis e fica conhecido como 104 Tecidos.

Em 1984, o Conjunto Arquitetônico e Urbanístico da Praça da Estação é tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA), primeiro passo para a revitalização da região, que só ganha fôlego entre as décadas 1990 e 2000, com obras que valorizam o hipercentro.

SERVIÇO: 

A Central

Endereço: Praça Rui Barbosa, 104  – Centro – Belo Horizonte/MG

Instagram: www.instagram.com/acentral.cc

Site: www.acentral.cc

1 Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.